Tuesday, October 17, 2006

Tentativa de conto infantil


Há muito tem atrás tentei incursar nos contos infantis percebendo que se trata de um campo muito dificil da escrita, o qual abandonei por completo. Um cérebro demasiado argumentativo não consegue entrar na intuição e espontaneidade infantis.
O alvitre veio do Escreva.com, um fórum fantástico de escrita criativa que completou há pouco tempo um ano de idade. Perante o estímulo da ilustração ao lado deixamos sair as ideias livremente. Nasceu, mas nas cresceu muito.
A história segue abaixo como a primeira e, provavelmente última, tentative de escrita infantil.

A Flor que voou para longe

O Miguel era um menino com 6 anos, ansioso por entrar para a escola.
A mãe do Miguel, a D.Luísa, trabalhava na pequena quinta de produtos naturais que possuíam, enquanto o marido, pai do Miguel, trabalhava numa fábrica na cidade.
O Miguel ia pouco à cidade e estava ansioso por começar a aprender e a conhecer meninos da cidade.
Até agora ficava a brincar com a vaca Flor, o porquinho Manuel, a família de gatos e todos os cães que lá vinham para brincar – ele não sabia os nomes de todos, pois eram muitos! E brincava com todos, rindo e saltando todo o dia até ao sol de pôr! Enfim, eram todos uma grande família feliz!
Finalmente, chegou o primeiro dia de escola e, logo, Miguel fez um amigo, o Marco.
Nos primeiros dias de escola, o Miguel ficou muito contente. Aprendeu algumas letras, jogos novos e músicas engraçadas! E o professor, o Sr. Josué, era muito simpático e fazia rir toda a turma.
Até que, um dia na cantina, serviram um prato chamado “bife de vaca”! Miguel ficou assustado, e pensou que tinham magoado a Flor, sua amiga de todas as brincadeiras! E começou a chorar por ela!
Depois de descobrir que as pessoas comiam as vaquinhas amigas de Flor, Miguel teve um horrível pesadelo nessa noite, no qual sonhou que as pessoas comiam as vacas!
A sua mãe reconfortou-o e explicou-lhe que na cidade era assim há muito anos.
Miguel ficou dias a pensar o que podia fazer! Como era possível que os meninos simpáticos da escola fizessem tal coisa?! Porque não comiam platinhas, feijões, arroz, sementes, enfim, as coisas da quinta que não eram capaz de brincadeiras?!
O que poderia fazer para mostrar às pessoas e aos meninos que as vacas eram boas, carinhosas e espertas?
Muitos dias depois, Miguel finalmente teve uma ideia brilhante! Levar a Flor à escola!
E lá foi ela, durante a hora do recreio, desfilar por entre os meninos com o seu sininho a dar a dar!!!
A Flor fez sensação! Dava beijinhos aos meninos e meninas da cidade, fazia “mmmuuuuuu” e eles riam-se muito!
A partir desse dia, deixou de se comer as amigas da Flor na escola. Todos queriam ir visitá-la à quinta e brincar com todos os “amiguinhos” do Miguel!

Nos dias seguintes Miguel ficou tão feliz que sonhou que as vacas ficariam livres, que mais ninguém as comeria. Depois, de tanta felicidade, tinham nascido asas à Flor e às outras vaquinhas, e foi então que, de tanta felicidade, a Flor saiu a voar pelos ceús!!!
E Miguel dormiu, finalmente, descansado.

2 comments:

Anonymous said...

Poema pouco infantil:

LAPISEIRA

Deitas-te sobre o lençol branco,
Gritas o que penso,
Surdamente.
Guiada pela mão que é minha
És acariciada, maliciosamente.
Desenho curvas no teu dorço,
Que as não tem,
Até que requebres em espasmos
E te derretas em linhas negras.
Faço amor contigo
E tu vens-te sobre o papel.
Sirvo-me de ti, é verdade.
És o meu meio para atingir um fim.
Nunca te prometi coisa diferente...


Para uma escritora.

Lw1Z said...

Você é uma vegetariana? É bem provável que seja a primeira coisa que alguém (não-criança) pergunte ao ler esta estória.

Bem... Você não precisa desistir. Ela é um bom primeiro passo. Mas ainda um rascunho.

O problema de escrever para crianças é não ser sistematizado (acho), ser livre como uma é uma tarefa difícil para quem já criou uma perspectiva sólida.
Ou não (eu me contradigo).

Sou só uma pessoa entediado entretendo-se com seu blog.