Wednesday, March 16, 2011

Mais um dia da Mulher...


Mais um dia da Mulher. Mais um dia em que faço um esforço por nem sequer sair da casa, para não me enfurecer. Não pensem que isto é só um texto literário e que digo estas coisas para ênfase…não. Não vou mesmo sair de casa.
O pior de tudo é que acordei com uma mensagem daquelas lamechas sobre ser mulher. Provinda de uma mulher!!! E estas mensagens eternizam ainda mais os estereótipos de género.
Claro que poucas pessoas me compreendem. Apenas os verdadeiros cientistas. A ciência (nomeadamente a psicologia social) que as medidas de discriminação positiva têm de ser limitadas no tempo.
A criação de um dia especial para festejar algo, a criação de quotas para uma determinada minoria de uma país, ou até uma atenção especial para com determinado problema numa escola ou numa empresa, podem ser medidas de sucesso, mas tem de ter um fim anunciado. Até porque isso contribuiu ainda mais para o seu objectivo.
O Dia da Mulher, 08 de Março, pode ter sido uma ideia engraçada. Pessoalmente, preocupa-me todos os tipos de discriminação, mas a que eu vivo é menos preocupante do que a discriminação que leva ao tráfico, à violência, ao lenocínio e a muitas outras situações horrendas. Há um mês vi uma ONG internacional a dizer que cerca de 1 milhão de mulheres em todo o mundo estão traficadas para fins sexuais…
A discriminação de que eu sou alvo no dia-a-dia é soft, é discreta, é mascarada, muitas vezes é inocente, subtil…mas está lá! E chateia-me na mesma. E custa muito demonstrar às pessoas que está lá!
Como é possível fazer tanto alarido porque um ser tem um pénis e outro uma vagina? Como? Porquê? Eu gostava de retornar do tempo, àquele primeiro momento, há milhões de anos, quando o homem primitivo e a mulher primitiva perceberam que eram diferentes. E a seguir, gostava de saber o que os fez crer que o homem de alguma forma era superior à mulher?
A sério, dispam-se de todas as ideias que têm e imaginem esse momento.
Voltando ao Dia da Mulher, hoje. Já esta a hora de acabar, mas agora ninguém tem coragem de o fazer. Como existe o dia do Pai e o dia da mãe, podia perfeitamente existir o dia dos Direitos Humanos, por exemplo. Ou então O dia dos direitos da Mulher e o dia dos Direitos do Homem, que mais tarde se fundiria num dia só…
Mas os inocentes dirigentes que criaram o dia Internacional da Mulher não imaginavam que ele viria criar ainda mais discriminação. Este é o dia da discriminação do homem. É o dia em que se retorce tudo e se faz, de uma forma especial, tudo AQUILO que deveria ser BANAL ao longo dos restantes 364 dias do ano. E ouvem-se aberrações…“Hoje, és mais linda porque é dia da Mulher”, “Hoje, amor, vou-te ajudar porque é dia da mulher”…etc…

1 comment:

FireHead said...

Por acaso também acho patético a existência do dia da mulher. Para mim, dá a ideia de que realmente a mulher é inferior ao homem.
A mulher não é inferior ao homem; é diferente do homem. É uma diferença que a própria natureza traçou. Alguma vez questionaste, por exemplo, porque é que mesmo entre os animais nunca é uma fêmea a dominante mas sim um macho? Porque é que existem espécies em que o macho é claramente mais forte e que sobressai (veado, leão, pavão, etc.)? O ser humano também é um animal e em último caso (ou talvez mesmo em primeiro caso) corresponde aos preceitos naturais.
Não sou machista, mas não creio que existe uma igualdade efectiva entre os sexos. Não existe precisamente porque os sexos são diferentes, únicos.