Saturday, October 01, 2005

Ódio total

Servia este blogue, para eu descarregar o meu odio ultimamente, devido a uma serie de coisas que me aconteceram na vida. Ninguem sabe dele. NInguem o visita, e no entanto continuo a cá vir como se de um terapeuta se tratasse. Escondi-o muito tempo. E não senti necessidade de dizer nada a ninguém.
Os meus azares na vida aconteciam e eu descarregava aqui o ódio de forma a não magoar ninguém, principalmente quem se ama.
Mas acabei por magoar. Sem saber. Sem perceber. E todo ódio que tinha para deitar fora deve ter ido de volta para dentro de mim. Odeio-me por me odiar tanto.

3 comments:

Anonymous said...

Bloggers rule!!!work at home

H said...

Ódio? suite yourself...



MARCHA DO ÓDIO

Ódio ao pirata, ódio ao bandido,
Ódio ao ladrão!
Ódio de estóico, que é vencido:
Para morrer, - sem um gemido!
Para matar, - sem um perdão!

Ódio danado, ervado, infrene,
Ódio mortal!
Ódio que turve e que envenene
A fonte angélica e perene
Do branco leite maternal.

Ódio que vá, contínua herança
De luto e dor,
D'alma do velho à da criança,
Como uma seiva ébria d'esp'rança
Duma raiz para uma flor!

Ódio que o Beijo, verdadeiro
Íman de Deus,
Transmita eléctrico e ligeiro,
Quer, a sorrir, no amor primeiro,
Quer, a expirar, no extremo adeus!

Ódio, facada escancarada
De canibais,
Boca blasfema d'alvorada,
Sempre a sangrar, nunca fechada,
Nunca, Jamais, jamais, jamais!

Ódio que, assim, como um cautério
De fogo atroz,
Requeime o egoísmo deletério,
Fermentação de cemitério
A apodrecer dentro de nós!

Ódio, explosão duma cratera,
Rubro e febril!
Ódio invencível como a hera,
Ódio com dentes de pantera,
Ódio com babas de réptil!

Ódio inflamando-nos, gangrena
Canicular!
Ódio d'Alsácia e de Lorena,
Ódio de mãe, - mulher ou hiena,
Se um filho, ó Deus, lhe vão matar!

Ódio sublime, hóstia com travos
De raiva e fel!
Hóstia da missa dos escravos,
Hóstia mais doce para os bravos
Do que a ambrosia e do que o mel!

Ódio feroz, cilício ardente
Cosido aos rins!
Ódio demente, ódio estridente,
Ódio que morda e ensanguente
A boca em brasa dos clarins!

Ódio sem termo, ódio sem jugo,
Ódio sem lei!
Ódio d'herói, que, digno d'Hugo,
Sob o montante dum verdugo
Cospe inda insultos contra um rei!

Ódio de monstro ensanguentado
Numa prisão,
Ódio bradando, - inútil brado!
Como uma cruz num descampado,
Como um punhal num coração!


Guerra Junqueiro

Anonymous said...

Que Podre! Odiei essa merda!